Cartilha lançada em 2021 pelo Improir fomenta cultura marabaixeira nas escolas

Os impressos foram distribuídos com o intuito de levar para dentro das escolas a história do marabaixo.

Por Alexssandro Lima - Instituto Municipal de Políticas de Promoção de Igualdade Racial

O Instituto Municipal de Políticas de Promoção de Igualdade Racial (Improir) lançou em agosto deste ano a cartilha ‘Ecoando o Marabaixo na Ciranda dos Saberes’, que fala sobre o ciclo do marabaixo e a importância de trabalhar a cultura afro amapaense nas escolas.

O intuito da cartilha é apresentar nos espaços de ensino municipais a cultura macapaense, valorizando e fortalecendo o Ciclo do Marabaixo. A distribuição das cartilhas foi feita nas escolas para serem trabalhadas dentro do Ensino Fundamental I, com linguagem lúdica e acessível, estimulando a interação e a inclusão dos alunos com deficiência auditiva e visual.

“A importância histórica do nosso marabaixo e a relevância para a fé do povo negro amapaense dentro das escolas através da cartilha faz com que nossa maior manifestação não seja esquecida e tenha seu merecido reconhecimento”, ressalta Michela Barreto, diretora da Escola Municipal Aracy Nascimento.

Por ser uma forma de expressão que reúne referências culturais vivenciadas e atualizadas pelos amapaenses, o impresso é um mecanismo fundamental para a construção e afirmação da identidade cultural negra brasileira. Desta forma se reforça o cumprimento a Lei Federal 10.639 de 2003, que incluiu no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da presença da temática História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

Devoção e resistência negra
Fruto da organização e identificação predominante entre as comunidades negras do Amapá, o marabaixo é uma expressão cultural de devoção e resistência que representa tradições e costumes locais. A origem do nome remete aos escravos que morriam nos navios negreiros; seus corpos eram jogados na água e os negros cantavam hinos de lamento mar abaixo e mar acima. Os negros escravizados passaram a fazer promessas aos santos que consagravam, e quando a graça era alcançada se fazia um marabaixo. Sua herança é deixada de pai para filho, e está associada ao fazer religioso do catolicismo popular em louvor a diversos santos padroeiros.

Amostra itinerante: Improir leva Museu do Negro para escola Hildemar Maia

Os alunos puderam ver de perto o acervo que inclui, além de registros da história dos negros, objetos de culto religioso e de devoção.

Por Alexssandro Lima - Instituto Municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

A Prefeitura de Macapá, por meio do Instituto Municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Improir), realizou nesta sexta-feira (26) uma exposição do Museu do Negro na escola municipal Hildemar Maia. A iniciativa busca promover o desenvolvimento humano e eliminar todas as formas de descriminação e violência étnico-racial dentro das escolas.

O museu itinerante é pensado em conjunto com a instituição interessada, a partir de uma análise inicial da demanda pelo referido serviço. Esta análise é constituída por reuniões de alinhamento entre a equipe do Improir e uma visita técnica ao espaço que acolherá a exposição itinerante para avaliação de suas potencialidades e uma melhor adequação do projeto às expectativas locais.

A aluna Esthela da Silva, de 11 anos, disse que está feliz em conhecer um pouco mais da cultura do estado. “Eu gostei de ter visto mais de perto tudo que o museu possui; os objetos, os livros com as histórias que ainda não conhecia e passei a conhecer”.

A diretora-presidente do Improir, Maria Carolina, falou da importância dessa ação itinerante do museu, sempre articulado à sua missão institucional. ”O Museu do Negro Gertrudes Saturnino tem realizado, desde sua reabertura uma série de exposições itinerantes em diferentes lugares. Semana passado fez sua exposição no Mercado Central, agora foi a vez da escola Hildemar Maia. O objetivo é ampliar a área de atuação no âmbito da oferta de serviços museológicos e da história do povo preto, já que através da ação são oferecidas exposições com os acervos institucionais, registros da história dos negros, objetos de culto religioso das matrizes africanas e produtos das louceiras do Maruanum”, finaliza.

Improir inicia o processo de entrega das cartilhas nas escolas municipais de Macapá

As cartilhas são destinadas as 69 escolas municipais que possuem Ensino Fundamental I.

Por Ruth Sales - Instituto Municipal de Políticas e Promoções de Igualdade Racial

Foto: Adevaldo Cunha

Na manhã desta sexta-feira (27), foi realizada a entrega da primeira cartilha “Ecoando Marabaixo na Ciranda dos Saberes”, na comunidade do Curiaú, na escola Municipal Joanna Santos. O prefeito de Macapá, Dr.Furlan, secretário de Educação, Edilson Silva, e a diretora-presidente do Instituto Municipal de Políticas e Promoções de Igualdade Racial (Improir), Maria Carolina participaram do ato.

“É muito importante quando você valoriza a cultura, as tradições locais desde a infância, fazendo com que o marabaixo não seja lembrado apenas por questões festivas e sim por toda sua história, sua cultura, sua tradição ficando de geração pra geração”, disse o prefeito.

As cartilhas são destinadas as 69 escolas municipais que possuem Ensino Fundamental I, de 1° a 5° ano, para serem utilizadas dentro das salas de aula trabalhando a inclusão e o desenvolvimento cultural.

“Este é um momento extremamente importante porque concretizamos o lançamos e objetivo pelo qual ela foi criada que é justamente, chegar até às crianças e fazer com que ela realmente cumpra seu papel de ser um grande instrumento pedagógico na disseminação da nossa cultura e da nossa história”, finalizou Maria Carolina.