Coordenadoria de Pessoa com Deficiência e Idoso realiza fiscalização em estabelecimentos comercias de Macapá

O intuito é verificar a disponibilidades de espaços de inclusão e acessibilidade nos locais.

Por Rafaelli Marques - Secretaria Municipal de Comunicação Social

Na manhã desta quinta-feira (6) a Secretaria Municipal de Direitos Humanos (Semdh), através da Coordenadoria Municipal de Pessoa com Deficiência e Idoso (CGPDI), iniciou as fiscalizações do ano de 2022 em shoppings e supermercados de Macapá para verificar a disponibilidade de espaço de acessibilidade e mobilidade para às pessoas com deficiências, idosas e de mobilidade reduzida.

O primeiro estabelecimento comercial fiscalizado foi um shopping localizado na zona sul, o qual apresentou todas as condições de acessibilidade e mobilidade, como um número de vagas considerável de estacionamento para pessoas idosas e deficientes, sinalizações sonoras quanto a vagas reservadas para este público, rampas de acesso, piso tátil para pessoa com deficiência visual, banheiro acessível e disponibilidade de cadeira de rodas para uso no local.

“Este estabelecimento comercial mostrou ter compromisso social com a cidade de Macapá, pois oferece cuidado e atenção as pessoas com deficiência e idosos desde a entrada orientando as pessoas na obediência da reserva de vagas e nas campanhas que faz internamente no incentivo do respeito aos direitos deste público ajudando a criar em nossa cidade uma consciência coletiva de respeito às pessoas”, destacou o coordenador da CGPDI, Ruan Linconl.

A equipe seguiu para um supermercado localizado na zona norte, que havia sido fiscalizado em dezembro de 2021, quando iniciou as ações, que devem durante todas as quintas-feiras do mês de janeiro.

Mais de 40 crianças e adolescentes participam de Festival Paralímpico

Com apoio da Prefeitura de Macapá, a Comitê Paralímpico Brasileiro ofereceu disputa de três modalidades para os participantes do evento.

Por Bruno Nascimento - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Mais de 40 crianças e adolescentes participaram do Festival Paralímpico Loterias Caixa 2021, que ocorreu no sábado (4). O evento contou com o apoio da Prefeitura de Macapá e foi uma realização do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), que ofertou diversas atividades.

A ação faz parte de uma mobilização nacional e acontece simultaneamente em todo o país, no Dia Nacional da Pessoa com Deficiência. Participaram das atividades as secretarias municipais de Direitos Humanos (Semdh) e Educação (Semed), além das coordenadorias municipais da Pessoa com Deficiência e Idoso (CGPDI) e de Esporte e Lazer (Comel).

“É revigorante pode auxiliar à comissão paralímpica brasileira. Proporcionar esse momento de alegria, valorização e estímulo para pessoa com deficiência é extremamente necessário. Além disso, estamos na luta para a construção de políticas públicas para todos”, destacou o secretário municipal de Direitos Humanos, Gonçalo Borges.

Festival paralímpico
A atividade atendeu crianças e adolescentes com deficiência visual, física e intelectual, com atividades esportivas nos segmentos vôlei sentado, atletismo e bocha paralímpica.

Os atletas realizaram uma inscrição prévia, através de plataforma on-line. A coordenação informou que, ao todo, 63 crianças e adolescentes se inscreveram, mas 42 compareceram à ação, devido às fortes chuvas que ocorreram no momento.

Durante a ação, o atleta Romário Silva falou da importância dos festivais paralímpicos e da necessidade de desenvolvimento em diversos âmbitos. “Foi através de um evento desse porte que eu pude me tornar mais independente. Costumava ser superprotegido e com estas atividades e campeonatos tive um estímulo, busquei estudar, me formar, viajar para outros estados”.

A ocasião teve ainda com a presença dos medalhistas paralímpicos que representaram o Amapá em São Paulo, como o Pablo Souza, que é deficiente visual e campeão paralímpico nas modalidades lançamento de dado, peso e corrida.

“Esse evento é uma das coisas mais importante na minha vida e consegui me adaptar a algumas modalidades, que antes era difícil me identificar. Mas com o festival, consegui encontrar algo que eu realmente goste, tanto que consegui ganhar algumas modalidades”, finalizou.

Mulheres assistidas pelo Cram debatem ativismo feminino

A roda de conversa faz parte da campanha 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra a Mulher.

Por Bruno Nascimento - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Nesta sexta-feira (3), as mulheres assistidas pelo Centro de Referência e Atendimento à Mulher (Cram) Zona Sul participaram de um debate sobre ativismo feminino. A iniciativa integra a programação da campanha 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra a Mulher, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos.

A roda de conversa teve como tema “Dialogo sobre o ativismo feminino: história, vivências e sua importância”. Além do debate, foram realizadas dinâmicas interativas que auxiliaram no fortalecimento da conversa.

Elis Regina Brito, de 46 anos, participou da atividade. Segundo ela, conversar sobre o assunto fortalece as mulheres. “É sempre bom adquirirmos conhecimento. Isso ajuda a não repetirmos falas erradas de outras pessoas. Fico contente em conhecer mais nossos direitos e lutar por eles. Sozinhas dificilmente vamos para frente. Juntas somos mais fortes!”, disse.

Além do debate, outras atividades campanha já realizadas nos últimos dias, como as palestras interativas para Guarda Civil Municipal de Macapá, servidores e mães de alunos de uma escola da zona norte.

“Nossas ações são contínuas, pois a violência contra a mulher ocorre em diversos âmbitos e diariamente. A campanha serve para intensificar essas atividades. Nossa intenção é lutar contra a erradicação dessas violências, seja com conscientização, alertas ou acolhimento”, pontuou Simone Ferreira, que está à frente da Coordenadoria Geral de Políticas Para as Mulheres (CGPPM).

Campanha
A programação da campanha encerra na próxima segunda-feira (6) às 17h, com a Blitz do Laço Branco, em frente ao Mercado Central. A ação deseja mobilizar a sociedade contra a violência. Durante o ato, serão entregues cartilhas com informações de denúncia, conscientização sobre as diversas violências enfrentadas pelas mulheres, além dos locais de acolhimento a estas vítima.

Inscrições abertas para mesa de debate sobre o combate à violência de gênero dentro do ambiente escolar

Evento ocorrerá no dia 6 de dezembro e é direcionado a gestores escolares, pedagogos, professores e universitários da área de pedagogia e licenciatura.

Por Lázaro Gaya - Secretaria Municipal de Educação

Estão abertas as inscrições para o evento ‘Desconstruir para combater: a violência de gênero e o papel da escola’, uma mesa de debates elaborada pela Secretaria Extraordinária de Políticas para Mulheres (SEPM), do Governo do Estado, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semed). O evento acontecerá na segunda-feira (6), de 8h às 12h, no auditório Macapá do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), localizado na avenida Ernestino Borges, 740, bairro Julião Ramos.

O encontro reunirá autoridades da Educação e da defesa das mulheres e meninas. O município de Macapá será representado pelo secretário municipal de Educação, Edielson Silva. Os gestores das escolas municipais, bem como seus pedagogos e professores estão sendo orientados pela Semed para participarem do encontro. Universitários da área de pedagogia e licenciatura também podem participar. As vagas são limitadas. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até esta sexta-feira (3), através do link: https://bit.ly/3p2AFai

O objetivo da mesa de debates é ratificar a importância da educação para a prevenção e o enfrentamento à violência contra mulheres e meninas. O evento faz parte da programação dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres.

A Prefeitura de Macapá tem trabalhado desde o começo deste ano para levar debates como esse para dentro das escolas. Recentemente a Semed compôs um grupo de trabalho para elaboração do Plano Municipal de Direitos Humanos (PMEDH)A versão preliminar do plano foi aberta ao público para o processo de consulta pública, encerrado nesta última terça-feira, 30 de novembro.

“A participação dos servidores das escolas é muito importante, principalmente neste momento em que estamos prestes a enviar ao Conselho Municipal de Educação o plano em sua versão final, como uma proposta importante que insere dentro das salas de aulas estas questões de defesa das mulheres, entre outras pautas”, explicou Edielson Silva.

A programação terá certificação com carga horária de 4 horas e os certificados serão disponibilizados em até 30 dias após o evento, através da plataforma de inscrição.

Confira a programação
8h – Abertura da mesa de debates

9h – Composição da mesa com:

Edielson Silva – Mestre em estudos de fronteiras e secretário municipal de Educação;

Renata Apóstolo – pedagoga especialista em tecnologia da Educação e secretária de Políticas para as Mulheres;

Antônio Carlos Sardinha – professor Dr. da Universidade Federal do Amapá (Unifap), coordenador do Observatório da Democracia, Direitos Humanos e Políticas Públicas;

Débora Martins – pedagoga atuante na área ribeirinha do município de Itaubal;

Tião Simpatia – membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, idealizador do projeto ‘Mulher de Lei’ e ativista social em defesa da mulher.

10h – Apresentação teatral

10h30 – Momento de perguntas do público para a mesa

11h30 – Considerações finais da mesa

12h – Lanche

16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres
Iniciada por ativistas no Instituto de Liderança Global das Mulheres, em 1991, é uma campanha anual e internacional que, no Brasil, abrange o período de 20 de novembro a 10 de dezembro. É uma estratégia de mobilização de indivíduos e organizações, em todo o mundo, para o engajamento na prevenção e eliminação da violência contra as mulheres e meninas.

Cram Itinerante realiza ação em escola da zona norte

A atividade faz parte da programação da campanha 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher e atendeu servidoras e mães de alunos da Escola Municipal Eliana Flexa Vilhena.

Por Rafaelli Marques - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

A Prefeitura de Macapá, através da Secretaria Municipal de Direitos Humanos (Semdh) e da Coordenadoria Geral de Políticas para Mulheres (CGPPM), realizou na manhã deste sábado (26) a ação do Centro de Referência e Atendimento à Mulher (Cram) Itinerante. A iniciativa faz parte da Campanha 16 dias de Ativismo e aconteceu na Escola Municipal Eliana Flexa Vilhena.

A ação contou com a equipe do Cram, que ofertou serviços de acolhimento, psicológicos, assistência social, serviços jurídicos, rodas de conversas, além de palestras com a presidente da União Brasileira de Mulheres (UBM-AP), Sandra Cardoso, coordenadora de Políticas Públicas para Mulheres em Santana, Léia Soriano e com a diretora da Escola Jardim de Deus, Esther de Paula.

O públicos-alvo da programação eram mães de alunos e funcionárias da escola, como a professora Leidiane Oliveira, que destacou a importância da realização da ação.

“Foi importante pra mim, como educadora, participar de palestras e conversas. Com isso, podemos atender e estender essa rede também na escola. A nossa instituição faz parte de uma comunidade carente, onde nosso público são famílias e pessoas em vulnerabilidade social. Nós precisamos saber deste acesso e destas redes de atendimento à mulher para que possamos estender aos funcionários, mães e a todas as mulheres da nossa comunidade que precisarem desse apoio”, relatou.

A ação também buscou identificar e acolher mulheres vítimas de violência e, de acordo com a coordenadora do Cram Zona Norte, Léa Souza, todas as mulheres que passam por isso possuem no Cram um espaço de acolhimento.

“Hoje o Cram Itinerante trouxe à escola nossos atendimentos e essa ação traz à nossa comunidade informação sobre a mulher que sofre algum tipo de violência, explicando que ela tem um local apropriado para ir em busca ajuda”, afirmou.

Agentes da Guarda Municipal de Macapá recebem capacitação sobre o combate à violência contra a mulher

Ação faz parte da campanha de 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher que acontece no município. Orientações foram repassadas pela Secretaria de Direitos Humanos.

Por Bruno Nascimento - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Nesta quinta-feira (25), a Secretaria Municipal de Direitos Humanos (Semdh), através da Coordenadoria Geral de Políticas para Mulheres (CGPPM) iniciou a campanha ‘16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher’ com uma palestra para a Guarda Municipal de Macapá, no auditório do Centro de Referência e Assistência Social (Cras) do bairro Pedrinhas.

Contando com a equipe do Centro de Referência e Acolhimento à Mulher (Cram), a ação abriu as atividades da campanha com a psicóloga do Centro, Laurana Bandeira, que debateu o tema ‘Violência Doméstica: aprender para acolher’.

“Apesar da Guarda Municipal não ser uma porta de entrada específica, ela atua como um órgão de retaguarda que pode ser solicitado e nos meios que eles estão presentes também podem, a partir dessa educação, cuidar, acolher e encaminhar estas mulheres para delegacia ou para o Cram”, destacou a psicóloga, Laurana Bandeira.

A campanha, que tem o intuito de combater as violências que ocorrem contra o público feminino nos diversos âmbitos de vivências, aproveitou o momento de interação com a guarnição de segurança civil para conscientizar, debater e orientar como agir nessas situações, além de abordar subtemas como o machismo dentro e fora do ambiente de trabalho.

“Nós lidamos com pessoas diariamente e cotidianamente é visível encontrar situação de conflito e violência contra a mulher. Então, para nós da guarda, é muito importante ampliar esse conhecimento e saber como agir nesses momentos dentro da legalidade, além de acolher e levar às autoridades máximas a denúncia”, contou a comandante da Guarda Civil Municipal de Macapá, Joeva Reis.

O secretário municipal de Direitos Humanos, Gonçalo Borges, pontuou a importância da participação de todos no combate às violências contra a população feminina.

“Nós precisamos estar juntos na luta pela igualdade de gênero e buscar alternativas que auxiliem no fim dessas violências contra as mulheres, que são muitas. O acolhimento e garantia de direitos delas é extremamente necessário e contamos com uma equipe preparada para isso”, pontou o gestor.

A programação continua durante o mês de novembro e se estenderá até o início de dezembro, com palestras, rodas de conversa e blitz do laço branco, com atividade educativa e de conscientização.

“Nesses 16 dias de ativismo vamos fortalecer nossas frentes de combate, ampliando a segurança e as oportunidades das vítimas de violência doméstica mudarem suas histórias. Pretendemos, ainda, convidar todos à reflexão, no intuito de prevenir e acabar com as violências contra as mulheres. Precisamos que todos se movimentem para contribuir com uma sociedade segura para todas”, revelou a coordenadora Simone Ferreira.

Contra qualquer tipo de violência à mulher pode ser denunciada no disque 180.

Programação da Campanha
27/11 – Ação CRAM Itinerante Zona Norte
Local: EMEF Eliana Flexa Vilhena na Rua Clodoaldo da Silva Matias, n°1550, Jardim Felicidade 1
Horário: 08h
Serviços: roda de conversa, acolhimento, psicóloga, jurídico, assistente social, pedagoga.

03/12 – Ação do CRAM com o tema ‘Dialogo sobre o ativismo feminino: história, vivências e sua importância’.
Serviços: roda de conversa, dinâmicas e interação.
Local: Cram ( Rua Odilardo Silva, 844 -Laguinho)
Horário: 15h

06/12 – Blitz do Laço Branco
Tema: Mobilização dos homens pelo fim da violência contra as mulheres entrega de folders e cartilhas de combate à violência.
Local: em frente ao Mercado Central
Horário: 17h

16 dias de ativismo pelo fim da violência: Prefeitura lança programação de Macapá

As atividades devem acontecer até o mês de dezembro com ações de palestras itinerantes, blitz de trânsito, além de conscientização e acolhimento.

Por Bruno Nascimento - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Aderindo à campanha nacional de ‘16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulher’, a Prefeitura de Macapá, através da Coordenadoria Geral de Políticas Para Mulheres (CGPPM) e Secretaria Municipal de Direitos Humanos (Semdh), lançou uma extensa programação parte da campanha nacional.

A primeira ação, que abrirá a programação da campanha, acontece nesta quinta-feira (25) de novembro, com uma palestra interativa realizada pela equipe do Cram para a Guarda Municipal de Macapá, com o tema ‘Violência Doméstica: aprender para acolher’, no Centro de Referência e Assistência Social (Cras) do bairro Pedrinhas. Além desta ação outras deverão ocorrer até o início do mês de dezembro.

Assim como ocorre em todo o Brasil, o intuito da ação é combater as diversas violências que ocorrem contra o público feminino nos diversos âmbitos de vivências, utilizando de diálogos de interação e conscientização com alertas, blitz no trânsito, prevenções e orientações necessárias, além do auxílio na valorização da mulher como pessoa.

“Durante 16 dias serão realizadas ações com o objetivo de conscientizar a população sobre a necessidade de erradicar a violência contra a mulher e divulgar os mecanismos legais para coibir a violência de gênero, além de também avaliar os avanços e retrocessos nas políticas públicas e ações de enfrentamento à violência e para a eficácia da Lei Maria da Penha”, destacou a coordenadora da CGPPM, Simone Ferreira.

A programação de combate à violência do público feminino contará com o auxílio da equipe do Centro de Referência e Acolhimento à Mulher (Cram) na realização das atividades, que contará com palestras, acolhimento psicológico, atendimento jurídico, pedagogo, assistência social, entre outros.

PROGRAMAÇÃO:
25/11 – Cram realiza Palestra Itinerante na Guarda Municipal com o tema: Violência doméstica: Aprender para acolher
Local: CRAS Pedrinhas (Rua Exercito Da Redenção, 1 – Pedrinhas
Horário: 9h
Palestrante: Laurana Bandeira (Psicóloga)

27/11 – Ação CRAM Intinerante Zona Norte
Local: EMEF Eliana Flexa Vilhena na Rua Clodoaldo da Silva Matias, n°1550, Jardim Felicidade 1
Horário: 8h
Serviços: roda de conversa, acolhimento, psicóloga, jurídico, assistente social, pedagoga.

03/12 – Ação do CRAM com o tema “Dialogo sobre o ativismo feminino: história, vivências e sua importância”
Serviços: roda de conversa, dinâmicas e interação.
Local: Cram ( Rua Odilardo Silva, 844 -Laguinho)
Horário: 15h

06/12 -Blitz do Laço Branco
Tema: Mobilização dos homens pelo fim da violência contra as mulheres entrega de folders e cartilhas de combate à violência.
Local: em frente ao Mercado Central
Horário: 17h

Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa de Macapá elege representantes para o biênio 2022/2024

As cinco vagas disponíveis foram preenchidas através da eleição que ocorreu nesta terça-feira (23).

Por Rafaelli Marques - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Nesta terça-feira (23), a Secretaria Municipal de Direitos Humanos (Semdh), através da Coordenadoria Municipal da Pessoa com Deficiência e Idoso (CGPDI) realizou a  eleição do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa (Comdpi) para o  biênio 2022/2024.  A votação ocorreu no prédio da secretaria.

Estiveram presentes na eleição os representantes das instituições inscritas e aptas a participar, sendo elas: Associação Brasileira dos Clubes da Melhor Idade (Abcmi), Associação Educacional Moriá (AEM), Associação dos Moradores do Retiro Ramal das Mulheres (Asmorram), Associação de Mulheres do Bairro Renascer (Ambre) e Associação Teatral Grupo Teatral Marco Zero do Equador e Fundação Fronteira Brasil e França.

A enfermeira de gerontologia e representante da AEM, Goreth Espíndola, destacou a relevância da eleição. “Essa eleição é extremamente importante. Estamos aqui revivendo, reativando esse conselho. Para trabalhar políticas públicas da pessoa idosa tem que conhecer e ter comprometimento, porque é um segmento que hoje, em todo o Brasil ele está invisível”.

Por conta do atraso da representante da Abcmi, a eleição foi por aclamação, haja vista que no momento da realização não tinha associações o suficiente para votar entre si, então cada uma assumiu um posto no conselho.

O Conselho Municipal visa promover políticas públicas para a população idosa. Ruan Linconl, coordenador CGPDI, frisou a importância do momento. “Hoje nós tivemos um momento muito importante. É o Conselho que acompanha as situações na qual se trata o idoso, tanto em questão de saúde, lazer, educação, por isso a importância do Conselho, é ele que vai verificar qualquer situação de violência em relação à pessoa idosa. É o conselho que vai verificar quais políticas públicas devem ser complementadas em relação a saúde, lazer, educação da pessoa idosa e é por isso que esse conselho é muito importante”.

A posse dos novos membros deve ocorrer após a emissão do decreto municipal para oficializar o Conselho.

Coordenadoria Municipal da Pessoa com Deficiência e Idoso planeja parceria com Comitê Paralímpico do Brasil

O diálogo serviu para apontar alternativas de cooperação técnica na realização do Festival Paralímpico.

Por Rafaelli Marques - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

A Secretaria Municipal dos Direitos Humanos (Semdh) através da Coordenadoria Municipal da Pessoa com Deficiência e Idoso (CGPDI), reuniu na sexta-feira (12) com o Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) atuante no Amapá, para firmar parceria de apoio na execução do Festival Paralímpico Loterias Caixa 2021.

Durante a reunião foram tratadas questões organizacionais e de logística do Festival, além das possibilidades de participação da coordenadoria nas atividades que serão ofertadas. No diálogo, foi definido que a CGPDI auxiliará na mobilização das crianças participantes do evento e dando suporte à organização.

“Promover a inclusão e integração das pessoas com deficiência em nossa sociedade passa pela valorização do paradesporto em nossas escolas e, consequentemente, comunidades. Desta forma a Semdh busca sempre parcerias que possam fomentar a interação entre crianças, esporte, inclusão, educação e sociedade como forma de reconhecimento de direitos básicos humanos”, pontuou o coordenador da CGPDI, Ruan Lincoln.

Festival Paralímpico
O Festival Paralímpico é um evento com intuito recreativo, que ocorre a âmbito nacional, e será realizado de forma simultânea com outros estados e municípios do país. A ação tem como público-alvo crianças e adolescentes com deficiência visual, física e intelectual de 7 a 17 anos, de escolas públicas e particulares.

O seu objetivo é incentivar o hábito esportivo, como ressalta o coordenador técnico do CPB Herbert Barbosa. “A meta são as criança e adolescente, de 7 a 17 anos. Queremos que comecem a ter gosto pela prática do esporte, mesmo que seja de forma recreativa, que tenham vontade de sair de casa para praticar alguma modalidade, pelo bem-estar da saúde mesmo, tanto da mental como física”, afirma.

O Festival está previsto para acontecer no dia 4 de dezembro, no Centro Didático Raimundo Adamor Picanço, localizado no bairro Beirol. As inscrições já estão abertas e podem ser feita de forma on-line no endereço eletrônico:  https://bit.ly/INSCRICAOFESTIVALPARALIMPICOLOETRIASCAIXA2021.

Comunicado: eleição do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência é suspensa temporariamente

Decisão ocorreu após a baixa quantidade de entidades inscritas para concorrer a eleição, o que causaria falta de paridade entre as sociedades civis e públicas.

Por Bruno Nascimento - Secretaria Municipal de Direitos Humanos

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos (Semdh), através da Coordenadoria Municipal da Pessoa com Deficiência e Idoso (CGPDI), anunciou na sexta-feira (12) a suspensão temporária da eleição do Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência ou Mobilidade Reduzida, devido a procura para as inscrições de entidades terem sido inferior ao necessário para o pleito.

O edital lançado no dia 26 de outubro, esteve aberto para as inscrições das entidades e apresentação das documentações necessárias no período de 03 a 09 de novembro para, posteriormente, serem selecionados a concorrer à eleição também prevista para este mês. De acordo com a Comissão Eleitoral, o número de entidades inscritas foi baixo e não supriu o mínimo necessário entre as vagas disponíveis, causando falta de paridade entre as entidades civis e públicas.

Por este motivo, foi decidida a suspensão das inscrições e, consequentemente, da eleição para que a comissão eleitoral tenha mais tempo para organizar novas estratégias que mobilizem o maior número de entidades.

Em breve ocorrerão reuniões entre a comissão para definir os próximos passos, as novas datas de inscrições e da eleição. Assim que decidido, as novas informações serão divulgadas.