Prefeito Dr. Furlan entrega Centro de Cultura Negra do Amapá revitalizado à população

A reforma ocorre pela primeira vez, desde a sua inauguração há 24 anos.

Por Karla Santos - Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura Urbana

O evento aconteceu nesta sexta-feira (18) | Foto: Leandro Lennon/PMM

Em cerimônia marcada por muito regionalismo, o prefeito de Macapá, Dr. Furlan, entregou a estrutura revitalizada do Centro de Cultura Negra do Amapá Raimunda de Nazaré da Silva Ramos (CCNA), prédio gerenciado pela União dos Negros do Amapá (UNA). O local é símbolo da memória e identidade da população negra amapaense. O evento aconteceu nesta sexta-feira (18).

“Hoje comemoramos a entrega deste espaço tão importante, e de homenagem a quem construiu a história do Amapá. Aqui assumimos um compromisso de incentivo ao empreendedorismo, turismo e cultura. Entregar o Centro de Cultura Negra do Amapá totalmente reformado faz parte da nossa valorização da diversidade étnico-racial e, sobretudo, do reconhecimento da ancestralidade do povo amapaense”, enfatizou Dr. Furlan.

Foram 5 meses de dedicação pela Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura Urbana (Semob). A reforma revitalizou o prédio administrativo, Museu do Negro e a maloca multiuso. A diretora-presidente do Instituto Municipal de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Improir), Maria Carolina Monteiro, comemorou a entrega.

“Para o Improir, esse espaço representa memória, cultura e conta a história da nossa cidade e do nosso Estado. É muito emocionante presenciar uma gestão que valoriza nossos espaços de resistência”, destacou.

Diretora-presidente do Improir, Maria Carolina | Foto: Leandro Lennon | PMM

O investimento custou 1,3 milhões. O recurso é fruto de emendas parlamentares do senador Randolfe Rodrigues e do deputado federal Camilo Capiberibe, além da contrapartida do Tesouro Municipal. Durante a solenidade de entrega, houve manifestação cultural do Marabaixo, roda de capoeira e venda de comidas típicas.

De acordo com o subsecretário municipal de obras, Ivy Vasconcelos, para a idealização desse projeto reinaugurado hoje, foi realizado um levantamento de todas as necessidades do local, junto com a Comissão Organizada do CCNA.

“O centro ganhou instalações elétricas, hidráulicas e de combate à incêndios. Também foram construídas novas coberturas, trocamos o piso, fizemos a reforma dos ambientes em madeira legal, nova pintura, reconstrução da mureta entre outros serviços”, explicou.

Quem foi Raimunda de Nazaré da Silva Ramos, a “Dona Raimundinha”

A homenageada. Nascida em 12 de outubro de 1955 e falecida em 25 de outubro de 2017, Raimunda de Nazaré da Silva Ramos, ou Dona Raimundinha, foi uma célebre moradora do bairro do Laguinho, local onde nasceu e viveu. Em vida, defendeu com afinco pautas como igualdade de gênero e combate à violência doméstica. Descendente de escravos, Dona Raimundinha foi a primeira pessoa a presidir o Centro de Cultura Negra – União dos Negros do Amapá (UNA) e fundadora de movimentos afrodescendentes relevantes para a cultura negra do estado, como a Missa dos Quilombos e o Encontro dos Tambores.  Até hoje inspira quem conhece sua história.

CEU das Artes é palco de Duelo de MCs para a disputa Nacional

Final Estadual reuniu os maiores nomes do Rap improvisado do Amapá.

Por Maison Brito - Secretaria Municipal de Saúde

O Duelo de MCs está entre os principais encontros da cultura Hip Hop do país — Foto: Leandro Lennon/PMM

O Centro de Artes e Esportes Unificados (CEU), zona norte de Macapá, foi o local onde a comunidade acompanhou a seletiva de Duelo de MCs para representar o Estado do Amapá. O evento atraiu dezenas de artistas amapaenses.

A programação marcou a comemoração do Dia Mundial do Hip Hop, celebrado no último sábado (12) na Capital. A fase classificatória para a disputa nacional envolveu 15 participantes selecionados em competições municipais para o Duelo Nacional.

MC Ayala foi o grande vencedor do evento, ele disse que realizou o seu sonho. “Estou muito feliz porque é a realização de um sonho. Participo de batalhas há seis anos, e desde lá me dediquei sempre em prol do duelo nacional”, ressaltou o artista.

Nacionalmente, as finais estaduais de cada estado são realizadas com o time de 15 MCs classificados durante o processo seletivo. O campeão estadual da seletiva vai disputar a maior batalha de rimas improvisadas do país pelo título nacional de 2022.

Ayala foi o grande vencedor da seletiva estadual do Duelo de MCs — Foto: Leandro Lennon/PMM

De acordo com Pedro Valetim, organizador do evento e membro do Coletivo Família de Rua, o Duelo de MCs Nacional é um projeto realizado em parceria com as organizações locais, nos 26 estados da federação e no Distrito Federal.

O Duelo de MC’s Nacional fomenta uma rede muito forte de fazedores e fazedoras de hip hop em todo o país. “O intuito do nosso projeto é estruturar a cena da batalha de rimas, criando igualdade de condições para que esses jovens possam crescer e se profissionalizar no Rap”, afirma.

A Prefeitura de Macapá reconhece, e reforça a divulgação do evento de promoção a cultura e a valorização dos artistas do Rap. A torcida agora é pelos amapaenses.

A grande final nacional de 2022 será realizada em Belo Horizonte, em 3 de dezembro, com 32 MCs classificados para a disputa do título, sendo 27 MCs classificados nas finais estaduais e mais 5 em repescagens.

Confira mais fotos

Inscrições para credenciamento de artistas e produtores de Macapá encerram nesta terça-feira (11)

Edital 007/2022 seleciona artistas iniciantes e veteranos.

Por Anézia Lima - Fundação Municipal de Cultura

Artistas de diversos segmentos podem se inscrever em edital da Prefeitura de Macapá | Foto: Júnior Dantas/PMM

As inscrições para o credenciamento de artistas e produtores culturais de Macapá encerram nesta terça-feira (11). O prazo vai até às 23h59, de acordo com o edital 007/2022, publicado no site da Fundação Municipal de Cultura (Fumcult), no dia 19 de setembro. Os selecionados irão compor a programação dos eventos realizados pela Prefeitura de Macapá. 

Segundo o diretor-presidente Fumcult, Olavo Almeida, o objetivo do edital é criar uma lista de artistas aptos a participar das programações culturais. “Esta é uma forma de dar celeridade na organização e realização de eventos da Prefeitura, além de valorizar e fomentar o trabalho dos artistas macapaenses”, declara. 

ACESSE O EDITAL

Podem participar do edital de credenciamento pessoas físicas maiores de 18 anos e pessoas jurídicas de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos, dentre eles, Microempreendedor Individual (MEI). As inscrições do edital são realizadas a partir do preenchimento de formulários, divididos entre participantes iniciantes e veteranos. 

No edital, diversos segmentos são contemplados, sendo eles dança, literatura, grupos de marabaixo, música, DJs, apresentador, artesanato, banda de fanfarra, audiovisual, artes cênicas, carnaval, matrizes africanas, grupos de capoeira e artes visuais. 

O prazo de validade do credenciamento público será de 180 dias podendo ser prorrogado. O resultado final com a lista de classificados será divulgado no dia 28 de outubro de 2022. 

INSCRIÇÃO INICIANTES

INSCRIÇÃO VETERANOS

Prazo para credenciamento de artistas e agentes culturais em eventos da Prefeitura de Macapá é prorrogado

Profissionais do setor tem até o dia 11 de outubro para se habilitarem em edital.

Por Anézia Lima - Fundação Municipal de Cultura

Artistas de diversos segmentos podem se inscrever em edital da Prefeitura de Macapá | Foto: Arquivo PMM

Artistas e produtores têm até a terça-feira (11) para realizar o credenciamento no edital 007/2022, que visa a participação de profissionais do setor em eventos realizados pela Prefeitura de Macapá. O prazo foi prorrogado para alcançar maior número de pessoas em carreira solo ou em companhias, grupos, bandas, coletivos e produtoras.

CONFIRA O EDITAL DE CREDENCIAMENTO AQUI

“Mais uma vez, convocamos os interessados para o credenciamento. Dessa forma, com os artistas selecionados teremos mais agilidade para a criação das programações desenvolvidas pela Prefeitura de Macapá nos próximos 180 dias”, comenta o diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura (Fumcult), Olavo Almeida. 

As inscrições são divididas entre as categorias de iniciantes e veteranos. Diversos segmentos são contemplados, como artesanato, audiovisual, artes visuais e cênicas, carnaval, matrizes africanas, banda de fanfarra, grupos de capoeira e marabaixo, além de dança, literatura, música, DJs e apresentador. 

Podem participar do edital pessoas físicas maiores de 18 anos e pessoas jurídicas de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos, dentre eles, Microempreendedor Individual (MEI).

Cada interessado poderá realizar a inscrição em apenas uma atração/atividade artística e cultural. Caso seja realizado o credenciamento em mais de uma categoria, será aceita somente a última proposta, excluindo todas as demais.

==> Inscrições para atrações artísticas veteranas

==> Inscrições para atrações artísticas iniciantes

Confira o cronograma: 

  • Até 11/10/2022 – Período de inscrição 
  • 14/10/2022 – Divulgação dos inscritos 
  • 15/10 a 21/10/2022 – Análise documental
  • 24/10/2022- Divulgação do resultado preliminar de projetos habilitados e inabilitados
  • 24/10/2022 – Prazo para recursos
  • 26 e 27/10/2022 – Análise dos recursos
  • 28/10/2022 – Divulgação do resultado final

2ª Mostra de Poesia Falada reúne música e literatura no Mercado Central de Macapá

Mais de 13 artistas e poetas se apresentaram no evento.

Por Anézia Lima - Instituto Municipal de Turismo

Literatura e música encantaram o público presente no Mercado Central de Macapá para a 2ª edição da Mostra de Poesia Falada, do Coletivo Juremas. O evento reuniu artistas, poetas e escritores para um encontro de debate sobre a cultura amapaense, nesta quarta-feira (28).

O intuito era aproximar leitores e escritores para o debate de temas do universo literário, explica a coordenadora do evento, Andreia Lopes. “A mostra é uma oportunidade de acesso à literatura de forma acessível e diversificada. Nossa proposta é valorizar cada vez mais o trabalho dos artistas, além de apresentar em diversos espaços da cidade o que desenvolvemos e trabalhamos pela cultura amapaense”, detalha.

Os artistas do Tatamirô Grupo de Poesia iniciaram o circuito de apresentações com poesias cantadas, incorporadas a ruídos, distorções, poemas autorais e sobreposições de vozes, que fazem parte do repertório da dupla Adriana Abreu e Herbert Emanuel. 

Em seguida, os artistas Ana Anspach, Wendel Cordeiro, Edu Gomes, Off Kenno, Ládio Gomes, Carla Nobre, Mário Salles, Mary Paes, Paulo Gil, Renato Gemaque, Barca do Iraguany e Kazumba Akelê, continuaram a programação. 

Mostra reuniu mais de 13 artistas no Mercado Central | Foto: Anézia Lima/PMM

Mais de 13 artistas, escritores e poetas apresentaram seus repertórios de trabalho ao público presente. A poeta e cantora Ana Anspach explica o desejo dos macapaenses de conhecer novos talentos. 

“Aqui nós tivemos a oportunidade de nos apresentar, e as pessoas de nos conhecerem. Na minha apresentação, tento fazer um encontro do repertório com a saudade que tenho do mar, por ser carioca, e a beleza que sinto em morar perto do Rio Amazonas. Independente de onde estou, gosto de me encharcar de arte”, celebra.

Quem aproveitou o momento cultural foi a cozinheira Brenda Leal, que ficou encantada com a programação. “Sabemos que em Macapá não temos muito espaço para a literatura, por isso, eventos como esse fortalecem o segmento, pois temos pouco apoio. Gostei e espero que tenha continuidade porque a poesia e a música têm um elo perfeito”, aprova.

 O evento foi organizado pelo Coletivo Juremas, mas contou com o apoio da Fundação Municipal de Cultura (Fumcult), Instituto Municipal de Turismo (MacapaTur), Secretaria de Estado da Cultura (Secult), O Blog da Mary e transmissão ao vivo no blog Quarta de Artes da Pleta.  

Mercado Central de Macapá recebe 2ª edição da Mostra de Poesia Falada nesta quarta-feira (28)

Organizado pelo Coletivo Juremas, evento conta com poetas, escritores e músicos.

Por Anézia Lima - Instituto Municipal de Turismo

Convidados debatem temáticas da literatura amapaense | Foto: Paulo Gil

A 2ª edição da Mostra de Poesia Falada do Coletivo Juremas acontecerá nesta quarta-feira (28), no Mercado Central de Macapá, a partir das 15h. O objetivo do evento é empoderar a voz feminina na literatura, além de potencializar novos talentos.

“Ter um momento de exposição e debate de obras e atuação de escritores e poetas traz ao público a oportunidade de conhecer e aprender sobre a literatura amapaense. Sabemos da importância dos temas literários porque ajudam a construir nosso pensamento crítico”, descreve o diretor-presidente interino do Instituto Municipal de Tursimo, Olavo Almeida.

A proposta é aproximar leitores e escritores por meio do diálogo de assuntos relevantes para o universo literário. Participam desta edição os artistas Ládio Gomes, Ana Anspach, Carla Nobre, Edu Gomes, Mário Salles, Wendel Cordeiro, Mary Paes, Paulo Gil, Renato Gemaque, Off Kenno, Tatamirô Grupo de Poesia, Barca do Iraguany e Kazumba Akelê.

Para a organizadora do evento e poeta do Coletivo Juremas, Carla Nobre, a 2ª Mostra de Poesia Falada é resultado do incentivo à leitura, valorização do livro, da literatura e das manifestações culturais. A 1ª edição foi realizada no início deste mês.

“Essa parceria é fundamental porque, com isso, nós podemos estabelecer mais lugares e pontos de referências para que a poesia possa acontecer e ter visibilidade em Macapá”, ressalta. 

O evento é realizado pelo Coletivo Juremas, com apoio da Fundação Municipal de Cultura (Fumcult), Instituto Municipal de Turismo (MacapaTur), Secretaria de Estado da Cultura (Secult/AP), Quarta de Artes da Pleta e O Blog da Mary. 

Em Macapá, Viviane Batidão levanta multidão ao som de bregas marcantes no encerramento do 4º Feirão do Povo

Noite de evento contou também com valorização da gastronomia, cultura, música e economia.

Por Anézia Lima - Fundação Municipal de Cultura

Artista animou o público no encerramento do evento | Foto: Rogério Lameira/ PMM

Ao som das marcantes, músicas autorais, regravações e lançamentos, a cantora Viviane Batidão levantou uma multidão no Mercado Central de Macapá, na noite de sábado (24), no encerramento do 4º Feirão do Povo. Hits do tecnomelody e brega que marcaram gerações, passaram energia ao público que aproveitou a noite para cantar e dançar durante a apresentação da artista. 

Com o show “Rock da Rainha”, Viviane descreveu a emoção de realizar a apresentação em Macapá. “Amo estar em Macapá porque aqui iniciei minha história no tecnomelody. Vocês fazem parte desse momento”, diz. 

A acadêmica de Jornalismo, Beatriz Melo, sentiu a energia da festa e presenciou a valorização da cultura musical regional. “Fiquei muito feliz em saber do show da Viviane Batidão e não poderia faltar. Participo com muita satisfação porque é muito legal ter um evento com música, gastronomia, cultura e agricultura, de forma acessível, no centro da cidade com toda essa estrutura e diversidade na programação, principalmente, pelo resgate do melody e brega”, declara.

Durante a noite de evento, o público contou ainda com uma programação extensa que contava com corredor gastronômico, sons de aparelhagens, circuito de melody, batalha de casais, além de shows de chorinho e pagode.

Em uma mistura de sabores, destacando a gastronomia baiana e amapaense, a cozinheira Ana Gleide Santos, conhecida como Baiana, trouxe as delícias típicas da Bahia e incrementou também o sabor da culinária amapaense. Os pratos de acarajé, cocada, vatapá, macarronada foram um sucesso de vendas. 

“Unindo a movimentação do evento, o bom atendimento e a comida boa, tive muito sucesso na venda dos pratos típicos da Bahia e do Amapá. Nós, empreendedores, precisamos dessa união, desse povão, como diz o próprio nome do evento. Aproveitei o tempo que estava em casa e caprichei no tempero”, comemora. 

Apresentando ao público os passinhos do tecnomelody, os casais de dançarinos Marivaldo e Vitória, Andressa e Gonzaga, e, também, Bibson e Luana foram destaques na super batalha de casais, no Circuito Melody Amapá, recebendo troféus e um valor simbólico.

No entorno do Mercado Central, empreendedores e ambulantes ocuparam as vias para a comercialização de alimentos, bebidas, artesanato, louças e plantas ornamentais. A artesã Marlúcia Nery aproveitou o grande público para vender e divulgar os produtos e peças de artesanato. Para ela, as vendas foram um sucesso. 

“Como a noite foi bem movimentada, a minha barraca está quase limpa e com poucos produtos. Só no primeiro atendimento vendi R$ 250 em peças de artesanato. Essa parceria deu muito certo e estou imensamente feliz”, comenta.

Diversificando a programação, em valorização e incentivo à produção e trabalho  dos empreendedores, a programação contou ainda com comercialização de plantas medicinais e ornamentais. Com o grande número de vendas, a empreendedora Aylla dos Santos precisou fazer duas reposições para sua barraca. 

“O evento superou minhas expectativas, vendi todos os meus produtor e tive que ir em casa buscar mais plantas para fazer reposição na barraca. Consegui arrecadar um bom valor”, comenta entusiasmada. 

O evento contou com o apoio da Fundação municipal de Cultura (Fumcult), das secretarias municipais de Desenvolvimento Econômico e Inovação (Semtradi), Iluminação Pública (Semip), de Obras e Infraestrutura (Semob), Direitos Humanos (SemDH) e Zeladoria Urbana. Além dos institutos municipais de Turismo (MacapaTur) e de Promoção da Igualdade Racial (Improir), a Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (CTMac) e a Guarda Civil Municipal de Macapá (GCMM).

“A noite foi um sucesso. Recebemos uma multidão de fãs da cultura e música amapaense. O nosso sentimento é de dever cumprido porque conseguimos oferecer aos participantes uma programação que respeita e valoriza os artistas, empreendedores, músicos, feirantes, ambulantes e todos que ajudaram a realizar essa festa tão bonita”, finaliza o diretor-presidente da Fumcult, Olavo Almeida.  

Bioparque de Macapá terá espetáculo teatral que une literatura e música neste domingo (18)

Contação de histórias será realizada pela Companhia de Artes Uirapuru.

Por Aline Paiva - Secretaria Municipal de Comunicação Social

Enredo faz um recorte de lendas da Amazônia para resgatar, entre outras coisas, as origens e tradição da região | Foto: Reprodução

O Bioparque da Amazônia vem te convidar para um momento de cultura, lazer e contato com a natureza. Neste domingo (18), a animação vai rolar solta com o espetáculo teatral sobre os contos e lendas amazônicas. A contação de histórias será realizada pela Companhia de Artes Uirapuru.

O espetáculo inicia às 10h30, na área do teatro jaguatirica, no espaço de convivência do parque. A apresentação intitulada ‘’Tipiti de Histórias: Contos Amazônicos’’ será direcionada para crianças, adultos e todos os tipos de público, com muita gargalhada, literatura e música.

O enredo faz um recorte das lendas amazônicas, resgatando as origens e a tradição por meio da teatralidade e diversão, explica a contadora de histórias Isabelle Brandão, da Companhia de Artes Uirapuru.

‘’Queremos adentrar o coração daqueles que se permitem se encantar por uma história. Contemplando a nossa cultura, tradição e espaço, visto que o Bioparque é um contato que as pessoas buscam com a natureza para criar memórias afetivas com aqueles que amam. Esperamos que o espectador se sinta integrante, para levar consigo um pouco mais sobre a Amazônia’’, destaca.

Contação de histórias será realizada pela Companhia de Artes Uirapuru | Foto: Reprodução

Além da contemplação da biodiversidade da região Norte, o Bioparque é um espaço natural que trabalha para proporcionar aos visitantes momentos culturais, de lazer, de ecoturismo sustentável e educação ambiental.

‘’Espetáculos teatrais incentivam o mundo da fantasia, principalmente para o público infantil. Por isso, convidamos as famílias para um domingo diferente dentro no parque, repleto de alegria’’, reforça o diretor-presidente da unidade, João Dias Neto.

Serviço
O Bioparque da Amazônia é uma fundação pública municipal, vinculada à Prefeitura de Macapá. Localizado na rodovia Josmar Chaves Pinto, antiga JK, o espaço natural possui uma área de 107 hectares de florestas, no meio do centro urbano da capital. O parque funciona de quarta a domingo, das 9h às 17h. A bilheteria encerra às 16h20.

Escola municipal de Macapá celebra ‘Festa do Folclore’ com danças e contação de histórias

A programação teve o objetivo de estimular a identidade cultural amazônica com a comunidade escolar.

Por Léo Nilo - Secretaria Municipal de Educação

Atividade marcou o fim de um mês de programação na escola | Foto: Ingra Tadaiesky/PMM

Danças, apresentações teatrais e contação de histórias marcaram esta sexta-feira (2) para a Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Ana Cristina Ramos, localizada no bairro Perpétuo Socorro. Mais de 500 estudantes participaram da “Festa do Folclore”, que veio para estimular a identidade cultural amazônica nas crianças.

A Festa do Folclore marca um mês de atividades na Emei Ana Cristina Ramos e durante o mês de agosto, as turmas do 1° e 2° período trabalharam os temas folclóricos dentro de sala de aula, abordando lendas, músicas e questões socioambientais.

A professora do 2° período, Maria Raimunda, relembra que ninguém da turma com a qual trabalha conhecia a lenda da Pedra do Guindaste, conto tradicional de Macapá. Com isso, ela escolheu abordar o tema com os estudantes, que prepararam uma peça teatral sobre o assunto. A representação teve cenário e trechos musicais, contagiando o público que não economizou os aplausos.

“É muito importante trabalhar na escola a nossa cultura. Aqui eles começam a criar a identidade e entender a própria história. Isso, no processo de ensino aprendizagem, é primordial. Hoje, se você perguntar para qualquer um deles, todos sabem falar sobre a lenda da Pedra do Guindaste”, conta, orgulhosa.

Larissa Magalhães, de 5 anos, interpretou o papel da mulher indígena que, na lenda, dá origem à pedra. A estudante conta que gostou da programação e desde então passou a adicionar o folclore local à sua lista de histórias prediletas. “Agora eu sei que o folclore é importante. Minha lenda favorita é a do boto”, diz.

Todas as turmas da Emei participaram da programação que aconteceu nos turnos da manhã e tarde. O dia ainda contou com um sorteio de brindes para os pais que participaram da atividade.

A coordenadora pedagógica da unidade, Elcione Del Castilo, foi uma das idealizadoras e reforça que o objetivo da ação é celebrar a cultura amazônica. “Os estudantes fizeram trabalhos práticos, utilizando materiais reciclados, como papelão e restos de sucata. Esta foi a grande festa para celebrar todos os conhecimentos obtidos ao longo do mês”, afirma a coordenadora.

Confira como foi a Festa do Folclore na Emei Ana Cristina Ramos Brito:

Em Macapá, cartilha ‘Ecoando Marabaixo na Ciranda dos Saberes’ completa 1 ano; saiba como acessar

Material conta a história do marabaixo e de pessoas que buscaram manter a tradição.

Por Karina Lins - Secretária Municipal de Comunicação Social

Cartilha destaca a tradição da cultura amapaense e foi distribuída nas escolas da rede municipal de Macapá | Foto: Arquivo/PMM


Lançada em agosto de 2021, a cartilha “Ecoando Marabaixo na Ciranda dos Saberes” está completando um ano de criação. O material, que destaca a tradição da cultura amapaense, foi produzido pelo Instituto Municipal de Políticas e Promoção de Igualdade Racial (Improir) e disponibilizado para a rede municipal de ensino de Macapá.

A cartilha foi produzida em conjunto com os grupos que promovem anualmente o Ciclo do Marabaixo, um importante momento que celebra a manifestação em louvor à Santíssima Trindade e ao Divino Espírito Santo.

O material didático também é composto por um CD com narração para garantir acessibilidade de pessoas com deficiência e um DVD com documentário especial com os grupos marabaixeiros. Todo esse material está disponível para a população.

A cartilha pode ser lida no portal da Prefeitura de Macapá, basta acessar o menu “Acesso Rápido” e buscar pelo ícone “Ecoando Marabaixo”. Já o documentário pode ser assistido no canal do Município no Youtube.

De acordo com a diretora-presidente do Improir, Maria Carolina Monteiro, a cartilha mostra um novo rumo para a cultura afro-brasileira dentro do município.

“O material foi um dos maiores avanços da Prefeitura de Macapá na valorização de nossa cultura. O livro foi muito bem recebido pela comunidade marabaixeira e pela rede municipal de educação. Agora ele está aberto para o público. Um exemplo de aplicação da Lei n° 10.639/03, que institui o ensino de história e cultura afro-brasileira”, destaca.

Site PMM Cartilha do Marabaixo
Cartilha está disponível na aba de ‘Acesso Rápido’ do site da Prefeitura de Macapá

Saiba mais
‘Agora abordaremos melhor essa cultura nas salas de aula’, diz diretor em entrega da Cartilha do Marabaixo no Bailique
Ecoando Marabaixo na Ciranda dos Saberes: cartilha lançada pela Prefeitura de Macapá fomenta educação cultural nas escolas
Escolas Municipais de Santa Luzia e São Joaquim do Pacuí recebem cartilha ‘Ecoando Marabaixo na Ciranda dos Saberes’