Prefeitura tem representatividade no II Seminário Audiovisual Amapaense

Escrito por Rita Torrinha Ligado . Publicado em Noticias

O diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Sérgio Lemos, participou como convidado, representando a Prefeitura de Macapá, da abertura do II Seminário Audiovisual Amapaense, nesta terça-feira, 25, na Biblioteca Pública Elcy Lacerda. Em sua fala, ele destacou o compromisso do Município em apoiar o segmento e apontou como principal missão a implementação efetiva do Sistema e do Fundo Municipal de Cultura.

 

Com um público formado por representantes de movimentos alternativos, independentes e formais, e a mesa solene com participação de secretários de Estado, presidente do Conselho Estadual de Cultura e jovens do Movimento Alternativo do Audiovisual, Sérgio Lemos reafirmou o compromisso da gestão e anunciou ações afirmativas. “Estamos assumindo o compromisso com o Plano Estadual do Audiovisual e queremos também estar efetivos com o Plano Municipal do segmento e colocá-lo para funcionar”.

 

“Vamos apoiar a Mostra de Cinema e Direitos Humanos, que acontecerá a partir do dia 2 de junho; e aderir à mesma modalidade adotada pelo Estado, por meio do Fundo Setorial do Audiovisual, claro, considerando que a capacidade do Município é bem menor que a do governo. Mas garantiremos esse aporte e continuaremos com a política de editais, de eventos, mas também de projetos estruturantes”, completou o diretor-presidente.

 

O gestor também explicou sobre o andamento do Sistema Municipal de Cultura, aprovado ano passado. “O sistema foi aprovado, mas ainda nos deparamos com entraves, principalmente no que diz respeito à regulamentação do fundo e às modalidades de receitas dele. Temos uma previsão de apenas 2,5% das taxas de polícia, ou seja, se a prefeitura decidisse colocar todos os fiscais na rua e cobrasse todas as taxas de funcionamento, como alvará, teríamos um teto de receita de 8 milhões de reais apenas, para o fundo daria em média 240 mil reais, ou seja, não é nada, considerando que seriam 240 mil reais para todo o segmento e para 12 meses”.

 

“Estamos trabalhando na reformulação desse perfil, para que, se tudo ocorrer como deve, no segundo semestre, consigamos aumentar essa receita. Vamos encaminhar o projeto para a câmara. Nosso objetivo é fazer as políticas que vocês do segmento e a sociedade almejam. Não é a salvação da lavoura, mas já é meio caminho andado para as possibilidades que o Município possui”, finalizou Sérgio.

 

O II Seminário Audiovisual Amapaense segue até sexta-feira, 28, com atividades nos turnos da manhã, tarde e noite.

 

Rita Torrinha

Assessora de comunicação/Fumcult