Escola de samba Piratas Estilizados inova e faz carnaval com maior parte de produtos e serviços contratados no Amapá

Ligado . Publicado em Noticias

Ainda não aconteceu o Desfile das Escolas de Samba, mas a Piratas Estilizados já se destaca por uma decisão que reflete diretamente na economia local. Do recurso repassado para o Grêmio Recreativo Escola de Samba Piratas Estilizados pelos investidores, no valor de R$ 170 mil, mais a verba da própria agremiação e de patrocinadores, 95% foi aplicado no mercado amapaense. Tecidos, plumas, material de acabamento, estrutura para as alegorias, adereços, e todo material necessário para a construção do enredo “Xô preconceito, queremos respeito” foram comprados nas lojas e distribuidoras da cidade, movimentando assim este importante setor da economia.

Piratas Estilizados ganhou o prêmio de Melhor Samba de Enredo do Carnaval 2020, decidido pelos jurados. O enredo que será cantado na avenida retrata a realidade de centenas de pessoas que diariamente sofrem preconceito e não têm os direitos respeitados. Religiosos, deficientes físicos, comunidade LGBT, mulheres, pobres, negros, moradores de área de vulnerabilidade, portadores de Transtorno de Espectro Autista terão seus gritos por respeito exaltados por Piratas Estilizados, que faz um desfile em que o preconceito é escancarado para o público e jurados. Comissão de Frente, alas, alegorias, pontos técnicos são usados para falar deste tema atual e polêmico.

 

Geração de emprego e movimentação da economia

 

Mais de 800 integrantes da escola, mais alegorias, serão apreciados por estarem vestidos e ornamentados com material adquirido no comércio amapaense, e, na opinião dos lojistas, este número poderia ser superior. Grande parte destes empresários deixou de investir mais em material porque não acreditava que o carnaval das escolas de samba voltasse a acontecer, e por ser costume de dirigentes das agremiações fazerem as compras em São Paulo ou em outros centros comerciais, levando para outros estados uma importante fatia de investimentos que poderia ser aplicada no comércio local.

 

No setor comercial do centro de Macapá, onde se concentra a maior parte das lojas que vendem material para escolas de samba e blocos, a opinião é que, se nos próximos anos as demais escolas repetirem o que a Estilizados está fazendo, além de impulsionar as vendas, dará a oportunidade para os comerciantes oferecerem vantagens competitivas que irão estimular a concorrência comercial com a oferta diferenciada de preços e produtos.

 

“A Estilizados se diferencia porque valoriza produtos, comércio e mão de obra daqui, e mostra que o carnaval não é brincadeira, tem dinheiro público envolvido, e, se circular aqui, é bom para todo mundo, porque o recurso volta para a população, garante emprego, dá para o empresário investir em melhorias, e novos empregos são gerados. A Prefeitura de Macapá foi muito feliz em incentivar o Desfile das Escolas de Samba, e tratar o carnaval com seriedade e importância para a movimentação da economia. Espero que nos próximos anos outras escolas prefiram fazer as compras em Macapá. Assim, os empresários têm tempo para preparar os estoques de acordo com a demanda”, diz o empresário Henrique Rocha.

 

Economia Criativa

 

No barracão da Escola Piratas Estilizados, na Cidade do Samba, quadra de ensaio e no ateliê, a atuação de trabalhadores que movimentam a Economia Criativa é grande, e mais de 60 profissionais foram contratados pela escola. Costureiras, aderecistas, soldadores, coladores, coreógrafos, músicos, intérpretes, carpinteiros e outros profissionais trabalham diariamente na confecção de fantasias, adereços e alegorias. Das mãos destas pessoas, que usam o talento e a criatividade para movimentar este setor da economia, que está saindo o desfile que tratará de preconceito e que será mostrado da Comissão de Frente as alas.

 

Diego Cearense, presidente da agremiação, afirma que a diretoria está tomando todas as medidas para apresentar o impactante enredo de forma criativa e alegre, apesar do tema ser polêmico e servir para chamar atenção para a questão do preconceito, e que a decisão de aplicar o investimento para o desfile é responsabilidade com o dinheiro público e compromisso com o Amapá. No total, de repasse público, recursos da escola e investimento de patrocinadores, a Piratas Estilizados fará o carnaval com R$ 260 mil, para apresentar o desfile e pagar os profissionais.

 

“Os recursos recebidos para o carnaval são para promover cultura e entretenimento no estado. Então, decidimos que este dinheiro iria circular aqui, para fomentar o comércio, gerar empregos e fazer um carnaval original, porque se o espetáculo for bonito, movimenta o setor hoteleiro, empreendedores ambulantes, motoristas de aplicativos e toda cadeia que gira ao redor desta festa popular. Sabemos que a maioria das escolas faz suas compras em outros estados por causa de produto e preços, mas esperamos que no próximo ano o comércio se prepare para fornecer para as escolas de samba e dê opções de preços e produtos, porque esta concorrência é positiva para todos”, pontua o presidente Diego.

 

Investimento

 

O fomento para a realização do desfile é da Prefeitura de Macapá, senador Davi Alcolumbre para o patrocínio, Liesap e iniciativa privada. O evento conta também com recurso de emenda parlamentar do deputado federal Vinícius Gurgel. A festa conta ainda com apoio do Governo do Estado.

 

Grêmio Recreativo Escola de Samba Piratas Estilizados

Fundação: 5 de janeiro de 1974

Presidente: Diego Cearense

Campeã: 1996

Desfile: 21 de fevereiro, às 2h45

 

Secretaria de Comunicação/PMM

 

Fotos: Max Renê