Prefeitura de Macapá contribui com debate sobre participação da mulher na política

Escrito por David Diogo Ligado . Publicado em Noticias

O Município de Macapá participou da conferência que incentiva a participação da mulher na política, no sentido de contribuir com o debate, dialogar sobre a realidade da política local em relação à representatividade feminina, trocar experiências e sugerir propostas sobre o tema. O evento aconteceu na terça-feira, 28, no auditório do Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE/AP), e foi realizado pelo Ministério Público Federal no Amapá, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral.

 

 

A coordenadora municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Anne Pariz, ressaltou que é fundamental a formação política no segmento. “Essa é uma capacitação política para as mulheres, um incentivo para que elas ocupem ainda mais os espaços no poder, na política, nos mandatos, visto que ainda temos uma bancada onde os homens são maioria. Esse encontro tem o propósito de fazer com que elas entendam como se dá esse processo e se sintam motivadas a ir para um pleito, não apenas na base eleitoral, mas também nas associações de mulheres, de bairros, para despertar a liderança delas”.

 

A procuradora regional Eleitoral, Nathália Mariel, destacou a relevância de estimular a participação feminina nos cargos políticos. “Esse evento é para tentar trazer uma maior conscientização para a população feminina do Amapá, para buscar uma maior representatividade, para que as mulheres tenham uma referência no palco político dessa representação, que ainda está muito fraca. A mulher é o maior número na população, mas se formos comparar com os mandatos políticos, ainda somos minoria. Então, tentaremos corrigir essa desproporção e trazer esse debate para que a sociedade possa se inteirar um pouquinho sobre os desafios que podem vir com essa missão”.

 

De acordo com os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), uma em cada oito candidatas não receberam um voto sequer nas eleições para vereador em 2016. Isso pode indicar a ocorrência de fraudes nas candidaturas, já que a Lei 9.504/97 obriga os partidos a destinarem pelo menos 30% das candidaturas nas eleições proporcionais à participação feminina. Candidaturas fictícias podem configurar crime de falsidade ideológica eleitoral, podendo resultar na cassação de mandato daqueles que se beneficiaram com a fraude. A ampliação do debate sobre o tema pode prevenir esse tipo de irregularidade.

 

Cliver Campos

Assessor de comunicação/CMPPM

 

 

UK betting sites, view full information www.gbetting.co.uk bookamkers